quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Expo Dom Pedro: O local do INTERGASTRO & TRAUMA 2015!

Uma das grandes novidades do Intergastro & Trauma 2015 é o novo local do evento - O Expo Dom Pedro, localizado no Shopping Dom Pedro, em Campinas.

Dessa forma, os participantes do IG&T ganharam ainda mais praticidade, podendo utilizar a estrutura de alimentação, estacionamento e compras do Shopping Parque Dom Pedro durante os dias do evento.

O Expo Dom Pedro está localizado em uma das melhores rodovias do país, a Rodovia Dom Pedro I, com fácil acesso às cidades da região de Campinas e ao aeroporto de Viracopos. 

Conheça o local: 
http://www.expodompedro.com.br/

Saiba como chegar: Mapa de acesso


Centro de Convenções do Expo Dom Pedro - Esperamos você aqui no IG&T 2015!

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Lançado oficialmente o Intergastro & Trauma 2015!

Bem-vindos ao Intergastro & Trauma 2015!

O maior evento de atualização em aparelho digestivo e trauma para o profissional do interior será realizado nos dias 24 e 25 de abril de 2015, no Expo D. Pedro, em Campinas - SP

Acompanhe as informações sobre o evento por aqui e também pelas redes sociais: Facebook e Twitter. (@Intergastro_SP)

Curta, compartilhe, avise os amigos! Em 2015, tem IG&T!




quinta-feira, 20 de junho de 2013

Nos encontramos em 2015!

Intergastro & Trauma 2013 mais uma vez foi marcado por momentos especiais de aprendizado, trocas e convivência profissional. 

O próximo Intergastro & Trauma será em 2015, mas a Comissão Organizadora já está a postos para planejar um evento atendendo às expectativas e necessidades dos participantes. 

Com certeza, como sempre, buscaremos trazer as tendências em Aparelho Digestivo e Trauma, de uma forma prática e focada na realidade do profissional do interior.

Fique atento às novidades do Intergastro & Trauma em nossas redes sociais e até 2015!

terça-feira, 28 de maio de 2013

Boas recordações do IG&T 2013 - registro dos melhores momentos

Às vezes, fotos falam mais do que palavras.
Dr. Marcelo Camargo, presidente do Intergastro&Trauma,  encerrou o evento do ano, com um grande agradecimento a quem dedicou tempo e se dispôs a fazer o evento acontecer mais esse ano, em sua oitava edição: o Comitê Executivo e Comissão Científica, as instituições parceiras, os patrocinadores e apoios , os organizadores e pessoas envolvidas em sua realização.

Com uma grande sensação de dever cumprido, o encontro desse ano registrou mais de 700 participantes vindos de 87 cidades e 200 convidados.

Compartilhamos alguns momentos que queremos deixar como recordação.













Dr. Rogério Antunes Pereira, presidente da Comissão Organizadora dos 50 anos e
Decano da  primeira turma de medicina da Unicamp
Dr. Rogério Antunes Pereira emociona com a história da FCM - UNICAMP

No encerramento, as expectativas para o Intergastro &Trauma 2015, e a emoção do encontro dos 50 anos da Unicamp

Dr. Marcelo A. Camargo,
presidente do Intergastro & Trauma
Como disse  Dr. Marcelo A. Camargo, presidente do Intergastro & Trauma, fica um gosto de missão cumprida, e de queremos mais.

As ideias para o próximo IG&T, que acontecerá em 15 e 16 de maio de 2015, já estão surgindo com muita qualidade e inovação, fatores que possibilitam aprimorar o evento a cada ano. Esse novo planejamento já tem o apoio das comissões envolvidas, e dos patrocinadores que acreditam na proposta de capacitação e formação do profissional do interior do estado de São Paulo.


Dr. Marcelo aproveitou para agradecer todos os envolvidos na realização dessa edição, em toda a sua extensão. E compartilhou alguns números que comprovam o sucesso do evento.



Para finalizar, convidou o presidente da comissão organizadora das celebrações dos 50 anos da FCM - UNICAMP, Dr. Rogério Antunes Pereira. Ele fez um discurso emocionante, remetendo à história dos 50 anos da Faculdade de Medicina, seguida da foto dos ex-alunos reunidos no local e a assinatura do livro comemorativo. 


Assinatura do Livro dos 50 anos com registro dos alunos de cada turma desde a inauguração

                         A foto comemorativa :
 parte das celebrações dos 50 anos da FCM UNICAMP
Emoção nos detalhes da história da FCM UNICAMP
Dr. Rogério Antunes Pereira - FCM UNICAMP
Ex- alunos, familiares, médicos no encerramento do IG&T

prêmio entregue pela Campinas Seguros para a vencedora do sorteio

A comissão organizadora do IG&T



Transtornos alimentares: Como eu trato?

Dr. Alexandre Pinto de Azevedo ( USP/SP)

O painel  Transtornos alimentares: Como eu trato?  encerrou a V Jornada de Nutrição em Aparelho Digestivo e Trauma do IGT2013.  Dr. Alexandre Pinto de Azevedo ( USP/SP),  com o tema Compulsão Alimentar Periódica, Síndrome Alimentar Noturna e sua Relação com a Obesidade iniciou as apresentações

Métodos diagnósticos que definem a compulsão: diagnóstico é pela anamnese, subjetiva, portanto. A subjetividade dos critérios diagnósticos  favorece uma variação grande entre comunidades.

Um episódio de compulsão periódica alimentar - caracteriza-se por uma ingestão em um período limitado de tempo, com a sensação de que o paciente não tem controle sobre o que está comendo.

Mitos:
-O transtorno não acontece somente com impulsividade por doces. Pode ocorrer também com salgados, assim como com a combinação de alimentos doces e salgados em um único episódio.
- conceito de chocólatra -  comedor compulsivo  - lembra dependência: nenhum alimento pode determinar dependência.
- O comedor compulso possui o estômago maior que o não compulsivo, na verdade ele possui maior tolerância à  distensão gástrica, sem sentir dor.

Os episódios de compulsão periódica estão associados com três ou mais dos seguintes critérios:
-comer muito mais rápido que o normal, até se sentir incomodamente repleto.
-comer grande quantidade de alimentos quando não fisicamente faminto.
-comer sozinho por constrangimento.
-sentir repulsa por si mesmo
-acentuada angústia relativa a compulsão periódica
-paciente se sente fracassado, pela falta de controle.

A compulsão periódica ocorre em média, pelo menos 2 dias por semana, por 6 meses.

TCAP e Obesidade
- 8% dos obesos na comunidade apresenta TCAP (Transtorno de compulsão alimentar periódica)
- Entre 20 e 30% dos obesos em tratamento clinico apresentam TCAP.
- Entre 40 e 50% em obesos grau III - os obesos possuem um sofrimento psíquico maior.
- Quanto maior o grau de obesidade, maior o grau de TCAP.
- Equipes de avaliação pré-operatória, devem ficar atentos à presença de TCAP.
- 60% dos obesos com TCAP, provavelmente possui outro diagnóstico psiquiátrico, (28% em obesos sem TCAP).

Síndrome alimentar noturna - ataque noturno a geladeira, por muito tempo ela foi entendida assim.-episódio de compulsão alimentar a noite - episódio de TCAP, que ocorre de madrugada .

Caracterizados por: voracidade, concentrados no período da noite, e em despertares durante a madrugada.
Há uma alteração do ritmo cercadiano entre o apetite.

Estudos mostram que a sensação de fome costuma acontecer entre meio dia e 3h00 da tarde ( fome fisiológica). Na Síndrome Alimentar Noturna há o deslocamento desse padrão, ocorrendo uma sensação de fome maior após as 18h00. Dessa forma, no período da manhã, o paciente não possui sensação de fome, realizando sua primeira refeição por volta de meio dia.

Há um aumento significativo da ingestão alimentar ao anoitecer ou a noite, manifestado por pelo menos 25% do consumo alimentar ocorrendo após o jantar, pelo menos dois episódios por semana de consumo alimentar durante despertares do sono, que podem ocorrer até 6 vezes durante a noite.

Os pacientes possuem consciência total durante o episódio de consumo alimentar e lembrança total do evento na manhã seguinte. Ele come porque tem necessidade. Insônia inicial ou intermediária está presente em pelo menos 4 noites por semana, com a crença de que é necessário comer para iniciar ou reiniciar o sono. Possui humor frequentemente entristecido ao anoitecer ou ao amanhecer.

O horário que conseguimos permanecer em período maior de jejum é a noite, e  usualmente não acordamos com sensação de fome. A Leptina está no topo, promovendo a saciedade, mas o portador de SAN não consegue atingir. A melatonina, por sua vez, atinge picos maiores durante a noite, desaparecendo ao amanhecer, nos portafores de SAN, encontra-se um desquilíbrio.

Na sequência,  Dra Marcela Kotait (USP São Paulo) apresentou a Abordagem nutricional no
Dra Marcela Kotait (USP São Paulo) 
tratamento da anorexia e bulimia.


Transtornos alimentares são transtornos psiquiátrico. O nutricionista suspeita , mas quem fecha o diagnóstico é o médico.

A equipe multidisciplinar de tratamento deve ser composta por médico psiquiatra, psicólogo, educador físico
fisioterapeuta e nutricionista.

O papel do nutricionista é orientar a terapia nutricional, com o foco de propor modificações do consumo, padrão e atitudes alimentares. O objetivo é adequar a ingestão de energia.

Atitudes alimentares
Pensamentos, comportamentos, sentimentos, crenças - a queixa está enraizada nas dificuldades das atitudes alimentares (ingestão que independe dos estados de fome e saciedade , não atende as necessidades fisiológicas.).Muitas vezes vão independer de fatos ou evidências, são irracionais, obsessivas.
A educação nutricional será importante, mas não suficiente muitas vezes. A desinformação é diferente de uma crença disfuncional distorcida, é importante ir além disso.

É necessário realizar uma boa avaliação - o diário alimentar é importante, pois favorece a consciência
alimentar , envolvendo aspectos como a duração da refeição, a quantidade de alimento, compulsão, onde se alimentou, com quem? nota de fome ( 0 a 10 ), relembrá-lo dos sentimentos de saciedade, sentimentos e pensamentos do momento, relacionando horários, fome, sentimento.

O plano alimentar é diferente de dieta, (alta restrição). Profissional e paciente  traçarão juntos o plano, é feito em conjunto, com metas possíveis, não é imposto autoritariamente.

A hospitalização é uma modalidade de tratamento -  acontecem a maioria das vezes para Anorexia nervosa e Bulimia nervosa, quando não há ganho de peso, entre outros fatores. A hospitalização é de alto custo, pois deve ter equipe altamente treinada, supervisão constante, nos repousos, pós refeições, controle de atividades físicas, acompanhamento da refeição e do uso do banheiro. A equipe deve ser bem treinada.

Com o sucesso do tratamento,o paciente volta ao tratamento ambulatorial. Se consumindo com moderação e com o tamanho de porção adequado,  aliado a atividade física regular, todos os alimentos podem fazer parte de uma dieta saudável.

Para o sucesso do tratamento, é  fundamental estabelecer um bom vínculo com o paciente, que pode demorar de 4 a 6 semanas. Para isso, o profissional deve ter habilidade no aconselhamento, atitude empática, de não julgamento. É importante que o profissional aprofunde seus conhecimentos de psicologia, entendendo a abordagem psicoterapeutica.

 Terapia nutricional - Atributos mais importantes do profissional :
-reconhecer os sintomas dos pacientes.
-avaliar os aspectos alimentares atuais do paciente.
-estimar e determinar uma meta de peso apropriada.
-ajudar o paciente a normalizar sua atitude alimentar.
-dar suporte ao paciente enquanto ele tenta novas atitudes alimentares.
-ajudar o paciente a entender a conexão entre as emoções e atitudes alimentares.
-ensinar o paciente como manter  um peso corporal saudável.
-trabalhar com os outros profissionais no tratamento.


Cirurgia Bariátrica: Atualização em Técnicas Cirúrgicas


Dr Admar Concon Filho ( Valinhos)
 O painel Cirurgia Bariátrica: Atualização em Técnicas Cirúrgicas trouxe aos participantes uma visão geral sobre as técnicas e critérios para indicações.

Dr. Ademar Concon Filho (Valinhos), inicia a apresentação de seu tema:  A escolha da técnica: Quais critérios para diferentes pacientes? mostrando dados sobre a situação da Obesidade no Brasil e no Mundo.

No cenário Brasil, ( de acordo com a SBCBM- Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica), em 2007 foram registrados com:
sobrepeso: 63.555.180 pessoas
Obesidade: 15.079.000 pessoas
Obesidade Mórbida: 3.739.000 pessoas

Nos EUA: 10 milhões de pessoas são portadoras de Obesidade Mórbida.
As internações para Cirurgia Bariátrica cresceram sete vezes entre 1996 e 2002.
A Cirurgia Bariátrica minimamente invasiva cresceu de 9,4% para 71%. As técnicas minimamente invasivas reduziram algumas complicações, além do tempo de permanência hospitalar.

A Cirurgia Bariátrica é o melhor tratamento da Obesidade Mórbida. Escolher a operação certa continua ser um desafio e é subjetivo. Não existe uma melhor cirurgia para todos os pacientes. Há poucas evidências quando comparamos diferentes procedimentos bariátricos.

Sobre a Cirurgia Bariátrica e a Diabetes mellitus tipo 2 ( DM2) , registra-se que a mortalidade devido ao Diabetes reduz em 92%. A cirurgia induz a redução de peso, com mudanças na sensibilidade à insulina e na função da célula beta. A taxa de remissão do Diabetes é maior em procedimentos que induzem às maiores perdas de peso.

A GYR ( Gastroplastia em Y de Roux) está estabelecida como terapia segura e eficaz para a Obesidade Mórbida e suas comorbidades. Nenhuma outra terapia tem produzido controle tão completo e eficaz do DM2. Prováveis causas: limitação de ingestão calórica, diminuição no consumo de carboidratos, exclusão do alimento do antro, duodeno e jejuno proximal pelo desvio; retardo de esvaziamento do estômago para o delgado; alimentos não digeridos completamente atingindo o jejuno médio.
A melhora do DM2 ocorre em poucos dias, muito antes da perda de peso ou da redução do tamanho dos adipócitos.
A melhora do DM2 é duradoura, mesmo para os que permanecem obesos. A cirurgia previne a progressão da intolerância ao carboidrato para DM2, retornando os pacientes ao estado euglicêmico. A melhora do DM2 é menor em pacientes idosos e que tenham doença há muito tempo, provavelmente devido a uma baixa reserva celular.

Em relação Cirurgia Bariátrica em Obesidade Extrema,( IMC > 50 kg/m²), atualmente, com o aumento exponencial dos superobesos candidatos à CB, é importante determinar o melhor tratamento cirúrgico para essa população. A cirurgia ideal deve ter baixa morbidade e mortalidade, alcançar significativa e duradoura perda de peso e proporcionar melhoras das comorbidades relacionadas à obesidade e promover a melhora da qualidade de vida.

Sobre a Cirurgia Bariátrica em crianças e adolescentes, há restrições para menores de 18 anos, sendo realizadas apenas em situações especiais e com acompanhamento na uma equipe multidisciplinar, de pediatra, pais ou responsáveis. A GV é uma cirurgia segura para adolescentes obesos mórbidos, com perda aproximada de 40% do excesso de peso em 6 a 12 meses de pós-operatório. Devido à baixa morbidade associada, deve ser considerada nessa faixa etária. A GV resulta em sucesso de perda de peso em mais de 90% dos pacientes pediátricos e mais de 70% das comorbidades serão resolvidas. Nas cirurgias para adolescentes, estudos a longo prazo ainda são necessários para avaliar a persistência da perda de peso e a maturação para a idade adulta.


O painel  também contou com a participação do Dr. Elinton Adami Chain ( UNICAMP) , com o tema: O Bypasss Gástrico ainda é o padrão ouro? Os aspectos técnicos influenciam nos resultados? , Dr Marcelo Zindel Salen (São Paulo)   -  Gastrectomia Vertical - O que existe de evidência? e Dr. Fábio Rodrigues Thuler (Americana) -  Como iniciar na cirurgia laparoscópica.
Após as apresentações, iniciou-se discussão com a participação da platéia.