quarta-feira, 8 de julho de 2015

IG&T 2017 será sede do "4th World Congress of Emergency Surgery"

Foi aprovada por unanimidade durante o 3rd World Congress of Emergency Surgery (WCES),
O 3rd World Congress of Emergency Surgery recebeu 300
participantes de 23 países
realizado em Jerusalém de 5 a 8 de julho, a proposta para o Brasil sediar a próxima edição do evento. 


A data proposta para a realização do 4th World Congress of Emergency Surgery  é 17 a 20 de maio de 2017, no Centro de Convenções Expo Dom Pedro, em Campinas (SP), durante o Intergastro & Trauma 2017. 



A definição ocorreu durante a reunião do Board of Directors, ao final do evento, quando o Brasil, com a iniciativa e apoio da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado (SBAIT), representada pelo  Prof. Dr. Gustavo P. Fraga ( UNICAMP e representante do comitê executivo do IG&T)  apresentou a proposta de Campinas como sede do 4thWorld Congress of Emergency Surgery. A Espanha era uma das candidatas a sede, porém, não apresentou proposta oficial.  

Um dos projetos para o evento é repetir o sucesso do IG&T 2015 e ampliar o alcance dos cursos pré-congresso de Manobras Cirúrgicas em Cirurgia do Trauma” DSTC , que foram realizados pela  SBAIT durante o IG&T 2015 em três dias, em diferentes cidades (Brasília, Campinas, Florianópolis, Ribeirão Preto, São Paulo e Sorocaba), porém aumentando para DEZ o número de cidades em 2017.

Para o IG&T é uma honra e alegria muito grande sediar um congresso internacional de tamanha relevância, integrando diferentes profissionais, que buscam atualização em temas de doenças do aparelho digestivo, cirurgia de urgência e trauma.

Fique atento às novidades para o IG&T 2017 em nossas redes sociais e por aqui. 

terça-feira, 12 de maio de 2015

Nos vemos em 2017!






O Intergastro & Trauma 2015 foi incrível e já estamos com muitas ideias para planejar um próximo Intergastro & Trauma ainda melhor, atendendo às expectativas e necessidades dos participantes. 

Com certeza, como sempre, buscaremos trazer as tendências em Aparelho Digestivo e Trauma, de uma forma prática e focada na realidade do profissional do interior.

Fique atento às novidades do Intergastro & Trauma em nossas redes sociais. 
Nos vemos no IG&T 2017!

Intergastro & Trauma 2015 - Mais uma edição de sucesso do IG&T reuniu profissionais para atualização de ponta em diversas áreas

Finalizamos mais uma edição de sucesso do Intergastro & Trauma. Foram dois dias de uma
Marcelo Amade Camargo
coordenador geral do IG&T 2015
programação científica de altíssima qualidade, contando com a participação de convidados de grande experiência e renome nacional e internacional, que trouxeram à discussão os temas mais atuais e relevantes de cada área, compartilhando tendências e novidades com os participantes.

Na cerimônia de encerramento, o coordenador geral do evento, Dr Marcelo Amade Camargo agradeceu a presença de todos, principalmente dos que vieram de longe para prestigiar e participar conosco dessa edição, que reuniu 600 participantes inscritos, com um total de 100 cidades representadas, de todas as regiões do país, além de 18 convidados internacionais de 10 países.

Segundo ele, " esses números, por si só falam a respeito do êxito do Programa Intergastro & Trauma. Porém, ele só foi, só é e só será possível, com a participação interessada, competente e entusiástica de diversos personagens, como as entidades promotoras, as Sociedades e Entidades Parceiras, os patrocinadores, os conferencistas, e especialmente os membros do comitê executivo e coordenadores das comissões científicas que se esforçaram para entregar um dos mais ricos programas científicos de todos os tempos. "

Agradecemos principalmente a cada um de vocês, participantes, que são o verdadeiro motivo de todo esse trabalho em equipe.
Nos vemos em 2017!

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Os desafios de alcançar os sete cumes do mundo - na conferência "Rumo ao Topo", no encerramento do IG&T 2015

Ana Elisa Boscarioli, cirurgiã e1ª sul-americana
a escalar os sete maiores cumes do mundo
O Intergastro & Trauma 2015 recebeu a cirurgiã e 1ª Sul-Americana a escalar os Sete Maiores Cumes do Mundo, para a  conferência de encerramento "Rumo ao Topo", que encantou e motivou a plateia presente.


Ana Elisa Boscarioli formou-se no curso de medicina da Unicamp em 1989, especializou-se em Cirurgia Plástica (1999). A escaladora de alta montanha é a primeira e única mulher brasileira a chegar ao cume de uma montanha com mais de 8.000 metros (Monte Cho Oyu, 8.201 metros, Tibet, 2005) e ao cume da montanha mais alta do mundo (Monte Everest, 8.850 metros, Face Sul, Nepal, 2006). Foi ainda a primeira mulher brasileira a atingir o cume do Monte Aconcágua (6.962 metros) pela Via Direta da Rota dos Polacos, guiada por Vitor Negrete. Participou ainda da Expedição Brasil-Argentina que escalou o Aconcágua durante o inverno, ocasião em que o Parque está fechado e a autorização só é concedida a poucos.



Em maio de 2014, completou com sucesso o projeto Sete Cumes. Poucos alpinistas conseguem tal proeza. Cabendo a ela, por esse fato o título de primeira brasileira a superar as montanhas mais altas de cada continente do mundo.

Ana Elisa compartilhou seus momentos de alegria, dificuldades, desafios e incertezas de suas
conquistas, que iniciou por acaso, em uma primeira aventura, onde, em sua primeira escalada, ela avisar o monte Everest ao longe, mas o guia diz: " Vamos até aqui. Daqui não podemos passar". Voltou com aquele sonho... De voltar. Saber que nenhuma brasileira havia conquistado o Everest até então, a deixou ainda mais motivada. Aquele fato foi  a semente. A partir de então, comprou livros de medicina de altitude, fisiologia, fez cursos de escalada em rocha, gelo, resgate e progressão em gelo. Realmente se apaixonou pelo desafio, seguiu adquirindo e acumulando experiências até chegar o grande momento. 

Ana Elisa ao conquistar o Everest em 2006
Depois de 45 dias escalando até o Everest, o sonho estava próximo de se realizar. " A cada dia, uma conquista" . Durante o período da escalada os desafios foram sendo superados um a um. Ocorrências de hora em hora faziam muitos desistirem. "Muitos desistem porque a mente não consegue segurar.  Não é força física, é força mental para continuar superando as adversidades. E sempre tem alguém desistindo.,," completa. 

Sua equipe iniciou a escalada com 9 pessoas. 5 concluíram. "No cume, a preocupação e stress aumentam, a falta de oxigênio causa confusão mental, Há o perigo das quedas, tem que se alimentar, o oxigênio te dá a sensação de 1000 mts a menos apenas. É um verdadeiro trabalho em equipe".  

"Foram 7 anos de treino, 2 meses na montanha e 15 minutos de cume", relembra. O ataque ao cume durou 8 dias, parando pelos campos base. " Esse foi o grande sonho da minha vida e tornou-se meu grande objetivo. "

Depois do Everest, a primeira pergunta : Qual o próximo desafio? A resposta é um vazio, e o pensamento a levava a pensar: E agora?
Foi quando decidiu superar o desafio dos sete cumes, dando inicio a esse projeto.
A concorrência pelo título de 1ª sul-americana a conquistar tal fato  foi o que a motivou a terminá-lo.

"Tudo o que a gente gosta, deseja...com paixão, nós conquistamos, mas é preciso muito planejamento"

"Nunca é tarde pra começar., todo mundo tem que ir atrás do seu sonho, seja ele qual for!"

Saiba mais sobre as conquistas do Sete Cumes, acessando: 

"Rumo Ao Topo" - Conferência especial de encerramento do IG&T 2015 terá a presença da cirurgiã e 1ª Sul-Americana a escalar os Sete Maiores Cumes do Mundo




HDA é discutida durante II RIAATCE


Casos foram apresentados e discutidos na Sala de Cirurgia do Trauma

José Gustavo Parreira, da Santa Casa de São Paulo
O médico José Gustavo Parreira, da Santa Casa de São Paulo, comandou o Painel sobre Hemorragia Digestiva Alta (HDA) durante a II RIAATCE (Reunião Ibero-Afro-Americana de Trauma e Cirurgia de Emergência), que aconteceu dentro da programação do Intergastro & Trauma. Ao lado dele, estavam os médicos Jorge Pereira, de Portugal, Chiu Ming-Terk, de Singapura, e Tercio de Campos, de São Paulo. O Painel teve tradução simultânea.




Chiu Ming-Terk, (Singapura), Jorge Pereira, (Portugal) e Tercio de Campos, (São Paulo) 
A HDA corresponde a cerca de 80% das hemorragias digestivas.  Ela é caracterizada pelo sangramento de origem no tubo digestivo, decorrente de lesões próximas ao ligamento de Treitz, que marca a junção entre o duodeno e o jejuno. Este tipo de hemorragia possui formas agudas e pode até causar a morte, principalmente, de pacientes mais idosos ou com problemas renais, hepáticos, cardíacos ou neoplásicos.

Painel discute isquemia intestinal na Sala do Trauma

Com tradução simultânea, assunto foi debatido por convidados internacional e nacional

 Marcelo Ribeiro, de São Paulo
A isquemia intestinal foi tema de uma das programações com convidados internacionais do

Intergastro & Trauma. O assunto foi abordado durante um painel com dois convidados internacionais e um nacional. Os três discutiram casos apresentados pelo médico Marcelo Ribeiro, de São Paulo. A exemplo das demais sessões internacionais, os convidados puderam optar pelo serviço de tradução simultânea.

Newton Djin Mori,(São Paulo), Chiu Ming-Terk, (Singapura) eJuan Carlos Puyana, dos Estados Unidos 
Os casos apresentados por Ribeiro foram debatidos pelos médicos Juan Carlos Puyana, dos Estados Unidos, Chiu Ming-Terk, de Singapura, e Newton Djin Mori, também de São Paulo. A isquemia intestinal ocorre quando os vasos sanguíneos dos intestinos se estreitam, reduzindo ou bloqueando o fluxo sanguíneo.

O painel aconteceu no sábado pela manhã, dia 25, na Sala de Cirurgia do Trauma e fez parte da programação da II RIAATCE (Reunião Ibero-Afro-Americana de Trauma e Cirurgia de Emergência).


Vídeos abordam uso da endoscopia em situações diferentes

Regina Rie Imada, da Santa Casa de São Paulo
Casos foram discutidos após cada apresentação feita na Sala 2 do Intergastro & Trauma

Uma série de vídeos, seguidos de discussões de casos, entrou em pauta na Sala 2 do Intergastro & Trauma no dia 25 de abril. Três médicos selecionaram casos que, de alguma maneira, podiam contribuir para a atualização de outros colegas da área.

As sessões começaram por volta de 15h e seguiram até às 17h, quando foram encerrados os trabalho do evento naquela sala.


Fabrício Bossi Silveira, de Valinhos
A médica Regina Rie Imada, da Santa Casa de São Paulo, abriu as sessões com apresentação de vídeos do Procedimento de ESD (Dissecção Endoscópica de Submucosa). Na sequência, foi a vez do médico Fabrício Bossi Silveira, de Valinhos, apresentar um vídeo sobre Drenagem de Pseudocisto de Pâncreas. 

O médico Marco Aurélio D´Assunção fechou a sessão com a apresentação de vários vídeos sobre o Tratamento Endoscópico das Complicações Pós-Cirurgia Bariátrica.
Marco Aurélio D´Assunção, de São Paulo


"Reganho de Peso" - um dos temas abordados na Jornada de Nutrição durante o painel "Obesidade - Tratamento Cirúrgico"

O painel "Obesidade - Tratamento Cirúrgico" encerrou a programação da VI Jornada de Nutrição em
Adriana Passos ( Campinas)
Aparelho Digestivo e Trauma do IG&T 2015.

Com Julia Delbue Bernardi ( PUC-Campinas) como presidente e Maria Camila Buarraj Gomes ( PU-Campinas) como moderadora, o painel recebeu as convidadas Adriana Passos ( Campinas) e Célia Beleli ( Valinhos).

Adriana Passos iniciou o painel abordando sobre os "Principais Aspectos no Manejo Nutricional Pré e Pós-Operatório" . Na sequência, Célia Beleli falou sobre o "Reganho de peso após  a Cirurgia Bariátrica: Como tratar?"
Célia apresentou estudos que mostram a eficiência da cirurgia bariátrica para o tratamento da obesidade mórbida e critérios de sucesso da cirurgia. Entretanto, o reganho de peso, quando significativo, pode provocar consequências psicológicas negativas, como baixa motivação, além de piora ou retorno das comorbidades associadas à obesidade.

Diversas podem ser as causas e fatores envolvidos no reganho de peso pós-cirurgia bariátrica, como anatômicas, fisiológicas, comportamentais, nesse caso , os hábitos alimentares inadequados, atividade física e alterações psicológicas.
Dentre as causas nutricionais, podem ser citadas a diminuição do gasto energético basal, o hábito de beliscar entre as refeições, ingerir alimentos líquidos e pastosos calóricos, o aumento do consumo de carboidratos e diminuição do consumo de alimentos do grupo da proteína. além de deficiências nutricionais.

Célia Beleli ( Valinhos)
Célia apresentou também algumas orientações e estratégias para o manejo nutricional dos pacientes, tanto no acompanhamento individual quanto em grupo, consistindo no trabalho de avaliar o apetite, hábito intestinal, ingestão hídrica, atividade física, evolução clínica e medicação. A avaliação do recordatório alimentar do paciente também é uma estratégia muito importante, pois pode verificar o fracionamento e horários das refeições, a qualidade dos alimentos ingeridos, a quantidade dos alimentos escolhidos, a mastigação e intolerância alimentares.

Utilizar recursos visuais, oficinas de reeducação alimentar e palestras com temas diversos sobre alimentação são estratégias que também podem obter ótimos resultados tanto individualmente quanto em grupo.
" O trabalho do nutricionista de mostrar os carboidratos ideais é fundamental para o paciente", reforça.

Ao final do painel, um debate com as duas convidadas
No caso do Reganho de Peso, é necessário monitorar/ orientar o paciente em relação ao balanço energético, a adesão a grupos de apoio e ao trabalho com psicólogo para detectar a presença de transtornos alimentares.

" Muitos pacientes com reganho de peso não retornam porque acham que falharam no tratamento", comenta Célia. O próprio termo  "Reganho de Peso"  denota uma parcela de responsabilidade para o paciente, Chegou-se a cogitar a substituição do termo para "Recidiva de Peso", porém a substituição já foi descartada inclusive pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

Célia finalizou contando sobre a área promissora do tratamento de reganho de peso, como a
modificação da microbiota intestinal com a técnica Bypass Y de Roux e a suplementação com Lactobacillus, que melhora a perda de peso e possíveis intolerâncias alimentares e aumenta a absorção de Vit. B12.

Ao final das apresentações, um debate com as duas palestrantes promoveu a interação da plateia.




"A importância do cuidado holístico" encerra programação da Jornada de Enfermagem

 
Silvana Nagai (Campinas) 
"Os profissionais de enfermagem devem deixar de ser tarefeiros,  para ver o paciente como um todo. Para mim, a enfermagem é holística, não é olhar apenas para a ferida"...essa foi a mensagem inicial da conferência de encerramento da VI Jornada de Enfermagem em Aparelho Digestivo e Trauma do IG&T 2015, que contou com a presença de Silvana Nagai (Campinas) abordando o "Cuidado Holístico na Assistência ao Paciente e ao Profissional".

Silvana apresentou diversas formas de Cuidados Holísticos, como o toque terapêutico, por exemplo, que consiste em uma técnica de imposição de mãos que tem por finalidade reorganizar o campo de energia humano debilitado com o objetivo de estimular o sistema imunológico e intensificar a recuperação da saúde.

Além do toque terapêutico, outras terapias, como a fitoterapia, medicina chinesa ( acupuntura), termalismo, florais, musicoterapia e reflexologia, também podem ser usadas no cuidado holístico do paciente.  Silvana reforça que as terapias podem ser utilizadas juntas sem nenhum problema.

Em 1997, a legislação própria da Enfermagem     (resolução COFEN 197/1997) reconheceu as Terapias Alternativas  como especialidades. Segundo a legislação da enfermagem, o enfermeiro pode aplicar as terapias desde que tenha a formação especifica da mesma. 

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Alergias alimentares - um dos temas da programação da Jornada de Nutrição

A palestra "Alergias alimentares / teste de desencadeamento", contou com Roberto José Negrão
A palestra gerou grande interação da plateia
Nogueira, (Unicamp) como convidado e Michele Bergamos (HM Mario Gatti) como moderadora.

Dr. Roberto falou como fazer o diagnóstico de alergia alimentar, mostrando os diversos tipos de testes. "Em certos casos, os testes devem ser realizados em condições estritamente seguras", reforça.

 "Se for um alimento dispensável à vida, não faça um teste, caso ele já tenha sofrido uma reação alérgica anterior", recomenda.

A alergia ao leite de vaca é o que tem mais prevalência. Interagindo com a plateia, Dr Roberto perguntou quantas vezes os profissionais já ouviram o termo "alergia à lactose"?
Segundo ele, quando conceitua-se algo errado, toma-se decisões erradas." Há pessoas condenando injustamente o leite e o glúten. Está virando uma moda e uma moda cara, que chega a levar um grande problema à família", afirma.
Os profissionais devem ser muito cautelosos , verificando se realmente é o caso.

Médicos explicam quando hérnias ventrais podem ser corrigidas por laparoscopia

Assunto foi discutido pelos médicos Henrique Galdolfi e Wilson Martinuso

A correção de uma hérnia ventral pode ser feita por laparoscopia, correto? Sim, mas não em todos os casos. 
Para ajudar os profissionais desta área a decidirem quando a técnica deve ou não ser aplicada, o Intergastro & Trauma preparou uma apresentação de casos com pontos de vista diferentes a respeito do tema.

O médico Henrique Galdolfi, de São José do Rio Preto, apresentou casos de quando indica a laparoscopia para hérnias ventrais. Na sequência, o médico Wilson Martinuso, de São Paulo, deu sequência ao assunto, mas do lado oposto: quando não indica a técnica para este tipo de tratamento. Após as apresentações, foi aberto um debate.

MAIS DISCUSSÃO


As hérnias ventrais também foram tema da mini-conferência Anatomia da Parede Abdominal e suas implicações na Fisiopatologia das Hérnias Ventrais, ministrada pelo médico Marco Antonio de Oliveira Peres, da Unicamp. A conferência Manejo das Complicações das Hérnias Ventrais, Abdome Infectado, ministrada pelo médico Cláudio Birolini, da USP São Paulo, completou o assunto no segundo dia do evento.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

O "Brinquedo terapêutico" foi um dos temas abordados durante a Jornada de Enfermagem

O Brinquedo terapêutico esteve entre os temas de destaque da programação da VI  Jornada de
Luciana de Lione Melo ( Unicamp) falou sobre o
Brinquedo Terapêutico.
Enfermagem em Aparelho Digestivo e Trauma do IG&T 2015.

Dentro dos debates da  Mesa Redonda: Atuação da enfermagem no cuidado Da criança e do adolescente com gastrostomia, presidida por Marcela Astolphi ( Campinas) e moderada por Karina Jorgino Giacomello ( Campinas), Elisabeth Dreyer ( Unicamp) abordou o tema "Gastrostomias pediátricas"  e  na sequência, Daniela Fernanda dos Santos Alves ( UNICAMP) falou sobre as "Complicações Infecciosas e não infecciosas das gastrostomias pediátricas".

O assunto "Brinquedo Terapeutico Instrucional – Ensinando a criança e o adolescente com Gastrostomia", com  Luciana de Lione Melo ( Unicamp), encerrou as apresentações da mesa-redonda, apresentando as características desse trabalho. Luciana iniciou explicando que o Brinquedo Terapêutico Instrucional ( BTI) é utilizado para preparar e informar a criança sobre os procedimentos terapêuticos a que será submetida, com o objetivo de incluí-la à nova realidade, facilitando sua compreensão sobre o procedimento a ser realizado e incentivando o autocuidado. É recomendado para crianças pré-escolares e escolares ( 3 a 10 anos), mas pode sre utilizado também para adolescentes e adultos a fim de tornar o aprendizado mais atrativo.  

O Brinquedo Terapêutico é classificado em três tipos: Brinquedo Dramático ou Catártico, que permite a descarga emocional da criança, o brinquedo instrucional , que permite a explicação de procedimentos para as crianças e o brinquedo capacitador de funções fisiológicas, que permite que as crianças sejam capacitadas para utilizar suas funções de acordo com sua condição biofísica.

O número de sessões de BTI pode variar de paciente para paciente, o essencial é que durante a sessão, a criança possa explorar a situação geradora de estresse ao mesmo tempo em que o enfermeiro avalia sua resposta a intervenção, o que facilitará no planejamento dos cuidados.

Para finalizar, Luciana lembrou da importância de se considerar a faixa etária e o desenvolvimento global da criança e reforçou a importância do profissional sempre estar presente com a criança no momento do BTI, em nenhuma hipótese a criança deve ser deixada brincando sozinha com o brinquedo, pois além de ser perigoso, não é esse o objetivo. 

Coloproctologia traz atualizações da área para participantes do IG&T 2015

O IX Simpósio de Atualização em Aparelho Digestivo e Trauma do IG&T 2015 contou com o Watch and wait'- Estado atual".
médico Rodrigo Perez (USP São Paulo) abrindo os trabalhos do Bloco I da Coloproctologia com a mini-conferência: Neoplasia de reto - Tática '

Dr Rodrigo apresentou como os pacientes com câncer de reto podem ser submetidos à  uma estratégia de "Watch and wait" depois do tratamento radioquimioterápico. Sabemos que a radioquimioterapia pode ocasionar uma regressão muito significativa dos tumores. Esses pacientes, embora tenham um melhor prognóstico, eles acabam sendo submetidos à cirurgias bastante mórbidas e mutilantes com a necessidade de colostomias definitivas e uma série de disfunções da esfera sexual, urinária, sem falar no risco de morte no pós-operatório.

Nesse contexto, segundo Dr. Rodrigo, "a resposta da radioquimioterapia é muito importante. De acordo com a experiência do nosso grupo em São Paulo,  avaliando a resposta á radioquimioterapia utilizando métodos clínicos, radiológicos e  endoscópicos, permite a identificação de pacientes com resposta completa que podem ser tratados sem a necessidade de cirurgia radical imediata. A maioria dos trabalhos nossos mostro  que são submetidos a esse segmento sem cirurgia ofereceu o mesmo resultado do ponto de vista oncológico do que a queles que foram submetidos ao procedimento cirúrgico, mostrando que a cirurgia não tinha nenhum benefício nesse contexto desses pacientes. Curiosamente, foram os mesmos resultados mostrados por outros grupos, que usaram, a mesma estratégia. Na Holanda, Nova Iorque, mostram os mesmos resultados oncológicos, sempre favorecendo os pacientes que não eram operados do ponto de vista funcional, sendo uma confirmação dos resultados que já havíamos obtidos em São Paulo. "

Dr Rodrigo ressaltou ainda que a avaliação da resposta é muito importante nesses pacientes, devendo ser realizada por um profissional experiente, tanto do ponto de vista clínico, quanto do ponto de vista endoscópico e radiológico, porque como qualquer coisa em medicina, precisa de uma curva de aprendizado.

Importante salientar ainda, segundo o Dr Rodrigo que "conseguimos modificar o esquema de radioquimioterapia passando do esquema normal, clássico, que se fazia radioterapia com dois ciclos de quimioterapia no começo e no final do tratamento, passamos para um sistema onde a dose era aumentada , assim como o número de ciclos de quimioterapia. Com essa modificação no esquema de radioquimioterapia nós conseguimos dobrar a taxa de pacientes com resposta clínica completa e quem em última análise não precisam de tratamento cirúrgico imediato"

Por fim, Dr Rodrigo deixa algumas mensagens interessantes dessa experiência com tratamento radioquimioterápico, particularmente naqueles pacientes que tem resposta clínica completa, avaliada por clínica, endoscopia e radiologia, é possível oferecer um tratamento com menor morbidade, menor mortalidade, sem nenhum tipo de prejuízo oncológico  a longo prazo.

Profissionais de enfermagem conhecem mais sobre a PIA - Pressão Intra Abdominal

Dr Bruno Pereira ( Unicamp)
Os temas "Síndrome Compatimental Abdominal e Cirurgia de controle de danos" estiveram presentes nas discussões da VI Jornada de Enfermagem em aparelho digestivo e trauma", agregando muito conhecimento aos profissionais.

O médico Bruno Monteiro Tavares Pereira ( Unicamp), embaixador no Brasil da Sociedade Mundial da Síndrome Compartimental Abdominal (WSACS), iniciou sua conferência dizendo que a PIA ( Pressão Intra Abdmominal) é a pressão normal do abdome e um sinal vital do paciente. Ela aumenta e diminui conforme esforço e respiração.

A PIA elevada é um achado comum na UTI. Para Dr. Bruno, os enfermeiros devem ser os profissionais responsáveis por sua medição.

Após abordar aspectos importantes sobre a Síndrome, Dr Bruno apresentou um caso e abriu para discussões e perguntas.  Ao finalizar, Dr Bruno recomendou aos profissionais de enfermagem que acessem o site da Sociedade Mundial da Síndrome Compartimental Abdominal ( WSACS), onde é possível conhecer o consenso e guidelines atuais para a Síndrome.



Visite:
http://www.wsacs.org/education/definitions-recommendations/consensus-statements.html



"O que há de novo nas fórmulas infantis" foi um dos temas abordados durante a IV Jornada de Gastroenterologia Pediátrica e Trauma

IV Jornada de Gastroenterologia Pediátrica e Trauma reuniu muitos participantes
A  IV Jornada de Gastroenterologia Pediátrica e Trauma recebeu convidados de grande destaque nacional na área, que compartilharam com os participantes as atuais discussões em torno dos temas abordados.  A programação contou com quatro palestras e uma mesa-redonda.  

A médica Fabíola Isabel Suzano de Souza ( FM ABC E UNIFESP) apresentou "O que há de novo nas
Fabíola Isabel Suzano de Souza ( FM ABC E UNIFESP)
fórmulas infantis", reforçando que é importante para o pediatra conhecer e oferecer a fórmula adequada, orientando a família na preparação correta, especialmente no caso dos bebês.  
Dra Fabíola mostrou os avanços na composição das fórmulas infantis, considerando que "muitos" diferenciais são baseados em poucos ensaios clínicos de longa duração. Dra. Fabíola também apresentou na sequência a palestra " Os ácidos graxos poli-insaturados de cadeia longa e a vitamina D na programação da obesidade".

Após o almoço os trabalhos foram retomados com a mesa redonda " Quando suspeitar e como investigar: Doença Inflamatória Intestinal e elevação de enzimas hepáticas", que contou com a presença de Izilda das Eiras Tamega (PUC Sorocaba) como presidente e Adriana M. Alves de Tommaso (Unicamp) como moderadora, recebendo para o debate os convidados: Cristian Targa Ferreira (Porto Alegre) que abordou o tema "Doença Inflamatória Intestinal" e Gabriel Hessel ( Unicamp) com o tema " Elevação das Enzimas Hepáticas". 

Encerrando a programação da IV Jornada de Gastroenterologia Pediátrica e Trauma, a médica Cristina Palmer Barros, da Universidade Federal de Uberlândia abordou o tema DRGE- Evidências Científicas Atuais no Diagnóstico e Tratamento, que gerou grande interesse e interação da plateia.

Cristina Palmer Barros, da Universidade Federal de Uberlândia

Cirurgia Robótica , um dos temas em destaque do bloco "Avanços diagnósticos e terapêuticos"

O bloco  "Avanços Diagnósticos e Terapêuticos" reuniu profissionais integrados com as novas  
Carlos Eduardo Domene ( USP São Paulo)
tecnologias que compartilharam com os participantes os novos avanços para a área.

 A conferência "Preparo Imunológico em oncologia: Evitando riscos de infecções e complicações", com o médico José Aguilar Nascimento ( Cuiabá/MS) deu início aos trabalhos, recebendo na sequência o médico Miguel Ângelo Pedroso ( Instituto Lubeck - Itu), que mostrou aos participantes as novas técnicas no ensino da videocirurgia por meio de dispositivos de realidade aumentada.
Na sequência mini conferências mostraram os avanços em métodos de imagem, contando com Dr. Marco Aurélio D'Assunção ( São Paulo) como presidente e  Dr Thiago José Penachim ( Unicamp) apresentando sobre o tema "Enteroscopia Magnética na avaliação do intestino, seguido por Dr Daniel Laham ( Unicamp) apresentando sobre "Avaliação por imagem Pós-gastroplastia". 

O médico Carlos Eduardo Domene ( USP São Paulo) encerrou o bloco apresentando a conferência:
"Cirurgia Robótica no aparelho digestivo: Evolução ou revolução?", que contou com Admar Concon Filho ( Valinhos ) como presidente. 

Cirurgia Robótica - slide aula Dr Carlos
Dr Carlos apresentou as vantagens e desvantagens da Cirurgia Robótica. Segundo ele, a cirurgia robótica vem sendo usada em todas situações onde a laparoscopia tem sua função, permitindo ao cirurgião uma visão que a laparoscopia não permite, além de um grau de liberdade maior do que a mão, aumentando a destreza. "A laparoscopia depende da destreza do cirurgião, a robótica, da habilidade em manusear os comandos."completa.
Segundo ele, "o paradigma mudou. Vamos ter que nos adaptar." Na laparoscopia, quanto melhor é o cirurgião, melhor ele opera. A cirurgia robótica, ajuda o cirurgião a fazer ainda melhor o que ele já é bom.

A facilidade de treinamento é outra grande vantagem da cirurgia robótica. Softwares podem ser desenvolvidos para treinamento e simulações, treinando progressivamente habilidades. O software ajuda o cirurgião trabalhar

A cirurgia robótica é igual ou superior à laparoscopia. Não são conhecidos estudos que mostrem que a robótica é inferior.

A real mudança de paradigma trazida pela tecnologia da cirurgia robótica é a  possibilidade de realização de cirurgias muito difíceis ou impossíveis por laparoscopia / laparotomia. Segundo Dr Carlos, já existem procedimentos que a laparoscopia não faz e a robótica faz. Outro grande destaque é a possibilidade de coloração que podem identificar vasos, nervos, mapear linfonodos.

"A cirurgia robótica veio para agregar e trazer tecnologia adicional, para mudar como a cirurgia é feita hoje, para um novo passo. A plataforma robótica atual ainda é rudimentar, porém, a tecnologia digital chegou para ficar. Temos que nos adequar. E podermos beneficiar cada vez mais nossos pacientes.", finaliza.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Cirurgia de controle de danos é amplamente discutida

Quatro médicos abordaram diversos aspectos relacionados ao tema durante o Intergastro & Trauma

 
Mesa redonda: " Damage Control" em casos complexos
A cirurgia de controle de danos foi amplamente discutida durante o Simpósio do Capítulo Brasileiro do Colégio Americano de Cirurgiões e da Sociedade Pan-americana do Trauma, que aconteceu na Sala de Cirurgia do Trauma, no segundo dia do Intergastro & Trauma.  O programa contou com uma conferência e uma mesa redonda, que teve explanações de três médicos sobre temas diferentes.

Durante a conferência, o médico Juan Carlos Puyana, dos Estados Unidos, abordou os Mitos e Verdades sobre o Controle de Danos, um conceito amplamente aceito entre os especialistas de trauma abdominal quando se trata de doentes gravemente traumatizados. Na sequência, o médico Carlos Ordoñez, da Colômbia, abordou o controle de danos nas lesões pulmonares, seguido pelo médico Newton Djin Mori, de São Paulo, que enfocou o controle de danos nos traumas pélvicos. O médico Marcelo Ribeiro, também de São Paulo, fechou a programação com o tema “Como e quando fechar a cavidade abdominal?”.

O termo “controle de danos” na medicina é voltado para a estratégia cirúrgica em que se reduz o tempo de cirurgia, sacrificando o reparo imediato de todas as lesões a fim de restaurar os parâmetros fisiológicos e não anatômicos no paciente instável.  Este termo surgiu na marinha norte-americana e se refere à capacidade dos navios militares de absorver impacto e manter sua integridade ao longo da missão.

Carlos Ordoñez, da Colômbia
Juan Carlos Puyana, dos Estados Unidos

Newton Djin Mori, de São Paulo







Nutrição é fundamental para o paciente com câncer



Mariluce Barbosa de Carvalho deu dicas para ajudar profissionais na elaboração deste tipo de dieta

Nutricionista Mariluce Barbosa de Carvalho
A importância da Nutrição no tratamento do câncer foi um dos assuntos abordados no segundo dia do Intergastro & Trauma. Logo no início da manhã, a nutricionista Mariluce Barbosa de Carvalho falou sobre o tema Macronutrientes no Tratamento Nutricional do Câncer. Ela explicou que é necessário fazer uma avaliação em cada paciente e direcionar sua dieta conforme suas necessidades, já que isso influencia diretamente em sua recuperação e bem estar.

“Com a nutrição errada, podemos atrapalhar o tratamento do câncer”, destacou Mariluce. Ela chamou a atenção para a importância da triagem nutricional e da alimentação ideal, que, muitas vezes, precisa do auxílio de suplementos. Explicou que a alimentação correta pode diminuir os efeitos da quimioterapia e da radioterapia.

A dieta desses pacientes, segundo a nutricionista, precisa levar em conta seu processo de digestão, que costuma ser mais lento. Em muitos casos, eles não conseguem comer qualquer alimento, principalmente, carne, que é muito importante no tratamento.


Outro aspecto que Mariluce destacou foi a importância da hidratação. “A água é fundamental. O paciente precisa se hidratar. Nós costumamos até pedir para a família deixar uma jarra de água perto para ele ter ideia do quanto consumiu. Aromatizar a água pode ajudar no consumo”, orienta.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Conheça os vencedores do Prêmio IG&T 2015

Inovação e reconhecimento dos profissionais do interior sempre foram as grandes marcas do Intergastro & Trauma.

PRÊMIO IG&T incentiva e valoriza a produção de trabalhos técnico-científicos nas áreas do aparelho digestivo e trauma, valorizando o talento do Jovem Médico e integra as ações previstas na estratégia de educação continuada do Intergastro & Trauma.

Os trabalhos vencedores foram selecionados por um júri composto por renomados especialistas de diversas instituições acadêmicas e receberam um prêmio de R$1.000,00, além de um pacote de inscrição completo para a próxima edição do IG&T ( 2017). 

Conheça os trabalhos vencedores do IG&T 2015:


NONOPERATIVE MANAGEMENT OF SPLENIC INJURY GRADE IV IS SAFE USING RIGID PROTOCOL

Autor responsável: ALCIR ESCOCIA DORIGATTI

AUTORES: Thaís Marconi Fernandes, Alcir Escocia Dorigatti, Bruno Monteiro T. Pereira, José Cruvinel Neto, Thiago Messias Zago, Gustavo Pereira Fraga



TRANSANAL MINIMALLY INVASIVE SURGERY ( TAMIS) FOR LOCAL EXCISION OF SELECTED RECTAL NEOPLASMS: EFFICACY AND OUTCOMES IN THE FIRST 11 PATIENTS

Autor responsável: GUSTAVO SEVÁ PEREIRA

Autores: Gustavo Sevá-Pereira, Luís Gustavo Capochin Romagnolo, Joaquim José de Oliveira Filho, Ricardo Bolzam-Nascimento, Sandra Pedroso de Moraes, Gabriela Domingues Andrade Ribeiro.



EFFECT OF ROUX-EN-Y GASTRIC BYPASS ON NONALCOHOLIC FATTY LIVER DISEASE EVALUATED THROUGH NAFLD FIBROSIS SCORE: A PROSPECTIVE STUDY

Autor responsável: LAÍSA SIMAKAWA JIMENEZ

Autores: Everton Cazzo, Laísa Simakawa Jimenez, José Carlos Pareja, Elinton Adami Chaim. 



A equipe do Intergastro & Trauma aproveita para parabenizar os vencedores. 

Alcir Dorigatti

Dr. Gustavo Sevá Pereira ( à esq.)

Laísa Simakawa Jimenez


Painel: Atualização em técnicas cirúrgicas trouxe discussões atuais aos participantes

Painel "Atualização em técnicas cirúrgicas"
O Bloco I da Cirurgia Bariátrica e Metabólica, do IX Simpósio de Atualização em doenças do
Aparelho Digestivo recebeu convidados de diversas regiões do país para o Painel : "Atualização em Técnicas Cirúrgicas", presidido por Hércio Azevedo e Vasconcelos Cunha ( PUC-Campinas) e Elinton Adami Chaim ( UNICAMP) como moderador.

O painel reuniu grande público
O médico Josemberg Marins Campos, ( Recife -PE) abriu o painel com a aula: "Preparo e seleção para cirurgia bariátrica e metabólica."  seguido por Irirneu Rzera ( Piracicaba -SP) abordando sobre " O reservatório gástrico". Na sequência, o médico Admar Concon Filho ( Valinhos) apresentou sobre o tema" O Comprimento das alças intestinais". Marcelo Zindel Salem ( São Paulo) falousobre "Sleeve versus Bypass" e, para encerrar o painel, o médico Luiz Vicente Berti ( São Paulo) apresentou sua aula sobre "Cirurgia Revisional: Quando indicar?"

Berti apresentou estudos recentes sobre a  obesidade no Brasil, que apontam que  a obesidade mórbida atinge 4% da população brasileira, sendo maior entre as mulheres.

A grande maioria dos obesos mórbidos apresentam problemas de saúde ( 85%), destacando: Hipertensão Arterial, doenças nas articulações do joelho ou tornozelos, colesterol elevado, doenças vasculares e apneia do sono.  O diabetes também está presente em torno de 17,5% entre os obesos moderados e mórbidos.

Dr Luiz Berti finalizou sua aula com as frases: " Insucessos com um determinado método em pacientes com indicação e acompanhamento é um indicativo a uma interrupção do tratamento cirúrgico pois a mudança para outra técnica na maioria dos casos resultará em novos insucessos" - Shikora, S.


terça-feira, 28 de abril de 2015

Sessão de vídeos - um dos destaques na programação do IG&T

A sessão de vídeos "Como eu faço"  já é tradicional e muito esperada na programação do Intergastro & Trauma. Nessa edição, contou com a participação do moderador Manoel Marcelo de Oliveira Castro ( Hospital Estadual Sumaré) durante o Bloco I - Parede Abdominal e com as apresentações:

  • Hérnia Inguinal TAPP: Truques e dicas - André Brandalise ( Centro Médico Campinas)
  • Hérnia Inguinal  TEP: Truques e dicas - José Maurício de Freitas Mendes ( São Paulo)
  • Fixação de tela: Grampos, cola e sem fixação - Gabriel Barbetta (Jundiaí)
Abaixo, alguns trechos dos vídeos apresentados:




segunda-feira, 27 de abril de 2015

"A importância do H. pylori na Oncogênese do Carcinoma Gástrico" - uma das discussões do IG&T 2015

A  relação do H. pylori com o câncer gástrico foi um dos temas abordados no IX Simpósio de
Prevenir é preciso!
Dr. José Murilo Robilota Zeitune ( UNICAMP)
Atualização em Aparelho Digestivo e Trauma . A conferência "A importância do Helicobacter. pylori na oncogênese do Carcinoma Gástrico", apresentada por José Murilo Robilota Zeitune ( UNICAMP ), propiciou aos presentes uma ampla discussão sobre o tema.

Dr José Murilo relembrou que há 21 anos, ou seja, desde 1994 o H. pylori é considerado carcinogênico número 1. Apesar disso, muitos profissionais da área não reconhecem a importância desse fato. Para ele, " Ou acreditamos ou não acreditamos. Se não acreditamos, temos que provar".
O H. pylori guarda relação com o câncer gástrico, devido a diversos fatores. Entretanto, muitos estudos tem mostrado que quando existem as lesões pré-neoplásicas e o H. pylori é erradicado, apenas 30% dos casos evoluem .
A relação entre H. Pilori e Câncer Gástrico possui
vários fatores

Outra grande questão em discussão é o H. pylori em crianças. Estudos realizados em crianças de 4 anos de idade, apontaram que 50% das crianças com condições sócio econômicas menos favorecidas tinham o H. pylori chegando, portanto à conclusão que o H. pylori é diretamente relacionado às condições sócio-econômicas da população.

Dessa forma, seria recomendável estabelecer um programa de prevenção para infância e adolescência.
Segundo ele, " não há dúvidas que o H. pylori tem relação com as condições sócio econômicas da população e que as crianças são as que mais sofrem, porque, aos 4 anos de idade elas possuem 50% de chance de desenvolver H.pylori e ter câncer na idade adulta.

Dr. José Murilo ressalta que para detectar um diagnóstico precoce em crianças não é necessário exames invasivos e de alto custo, um simples exame de fezes poderia ser suficiente para a pesquisa do antígeno H.pylori.

Além da relação com o Câncer Gástrico, já sabe-se que o H. pylori também está relacionado a váris outras doenças.

"Trabalhar na prevenção e no diagnóstico precoce - Isso que nos faz motivados em trabalhar todos os dias e estar aqui , hoje, ampliando o alcance dessa discussão aos colegas. ", finalizou Dr. José Murilo.

O inédito workshop de "Capacitação do Instrumentador Cirúrgico" agregou muito conhecimento teórico e prático aos participantes

O workshop teve início com a parte teórica
Pela primeira vez no Intergastro & Trauma, foi realizado um workshop voltado especificamente para  a atualização do conhecimento técnico e prático de instrumentadores cirúrgicos, tornando-os mais capacitados a trabalhar com segurança e qualidade, trazendo benefícios não só para o paciente, mas também para toda a equipe com a qual trabalham. 

O workshop, que reuniu 35 participantes, que puderam conhecer todo o processo e funções do instrumentador cirúrgico, desde a montagem da mesa cirúrgica, passando pelo preparo do paciente, até os cuidados com o material após o procedimento. 
Após a etapa teórica, os participantes do workshop puderam conhecer e vivenciar, na prática, o manuseio dos equipamentos mais modernos no mercado. 

Para a coordenadora do curso, a bióloga e instrumentadora do GCBV ( Grupo de Cirurgia Bariátrica de Valinhos),  Luciene Souza, " o interesse e procura dos participantes nos surpreendeu. Ficamos muito felizes com a iniciativa do IG&T de incluir um curso para instrumentadores. Foi muito positivo e agregou muito aos participantes. As aulas sobre "Cuidados com ótica e parte prática com contato direto com os distribuidores de materiais Johnson, Covidien e Storz, possibilitou aos participantes conhecer materiais, funções e montagens de diferentes tipos. Isso foi essencial para ajudar no ato operatório. "

Estação Storz - Tipos de materiais


Estação Covidien - cargas, grampeadores e tesoura bipolar

Estação J&J - Grampeadores, telas e cargas


Workshop reuniu grande número de interessados